Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Mobilização e greve forte marcam a primeira semana de luta

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
09/10/2015 - 14:33
home-1211101618.jpg

        O quarto dia de greve foi marcado por ampla mobilização e forte indignação com os banqueiros em razão da proposta ofensiva de 5,5% de reajuste salarial + abono de R$ 2.500,00 apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Como a inflação do período foi de 9,88%, está evidente que a oferta patronal visa impor perdas reais aos bancários.

         A paralisação vai continuar fortíssima no Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BRB-Banco de Brasília e rede privada até que os bancos apresentem proposta capaz de repor a inflação do período de setembro/2014 a agosto/2015, mais ganho real. O Sindicato conclama os bancários que ainda não aderiram ao movimento reivindicatório que fechem suas agências imediatamente, faça uma foto da fachada e encaminhe para sindicato@bancariosgo.org.br.

          “A greve é necessária para garantir a reposição salarial e ganho real, além de outras reivindicações como melhorias na participação nos lucros, pisos, auxílios alimentação e creche. A paralisação também é fundamental para que sejam negociados o fim das metas abusivas e do assédio moral, Isonomia entre os empregados pré e pós 1998 nos bancos públicos, garantia do emprego, fim das filas com mais contratações de bancários, combate às terceirizações, Plano de Cargos e Salários (PCS) para todos os bancários, igualdade de oportunidades com o fim das discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs)”, conclama Sergio Luiz da Costa, presidente do Sindicato dos Bancários de Goiás.

Mapa da greve

          Até o momento a Fenaban se mantém em silêncio e não há reunião de negociação agendada. Certamente, por esse volume de greve os bancos não esperavam e terão que ceder em seus posicionamentos, negociarem seriamente e apresentarem proposta decente que atenda nossas justas reivindicações.

         Bancários de todas as regiões do Estado de Goiás estão fortemente mobilizados, descontentes com o posicionamento dos bancos e paralisaram agências. Nesta sexta-feira, 9, houveram adesões dos bancários de Serranópolis, Planaltina de Goiás e Senador Canedo. Citamos algumas praças em que a paralisação já alcançou: Alexânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Bom Jardim de Goiás, Bela Vista de Goiás, Campinorte, Catalão, Caldas Novas,Ceres, Edéia, Goiás, Goianésia, Formosa, Indiara, Itaberaí, Itumbiara,Inhumas, Itapuranga, Ipameri, Itapaci, Jandaia, Jaraguá, Jataí, Jussara, Mara Rosa, Minaçu, Nova Crixás, Nerópolis, Niquelândia, Orizona, Palmeiras de Goiás, Paraúna, Padre Bernarado, Pirenópolis, Pires do Rio, Posse, Porangatu, Piracanjuba,Rio Verde,Rubiataba, São Miguel do Araguaia, São Luiz dos Montes Belos, Senador Canedo, Luziânia, Uruana, Uruaçu, Vianópolis, Vicentinópolis, Serranópolis e Planaltina de Goiás. Na Caixa Econômica Federal, das 86 agências ligadas a SRSul 81 estão fechadas ou com atendimento precário. Das 62 ligadas a SRNorte 57 estão paralisadas ou funcionando precariamente. Todas as unidades ligadas a SRDF estão paradas.

Reuniões de avaliações

Todos os dias haverá reuniões de avaliações do movimento reivindicatório. Veja os locais e horários e compareça:

08h: rede privada, na sede do Sindicato; 15h30min: bancários da Caixa, no Escritório do Sindicato montado na porta da Ag. Anhanguera (prédio da SRSul); 15h30min: empregados do Banco do Brasil, no escritório do Sindicato na porta da Ag. 1610 (prédio da Super-GO).

CLIQUE AQUI e veja o informativo Sindicato em Ação
Tópicos:
visualizações