Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Salário 42% dos goianienses vão usar 13° para pagar dívidas

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
26/11/2014 - 08:53

De acordo com a CDL, só 15,7% irão aplicar o dinheiro na poupança. Para especialista, 13º salário, cuja 1ª parcela deverá ser paga até o dia 28, deve ser usado com planejamento

Para quem não pediu adiantamento durante as férias, a primeira parcela do 13º salário será paga até sexta-feira, dia 28. E o que fazer com esse dinheiro? De acordo com pesquisa divulgada ontem pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Goiânia (CDL), a grande maioria dos goianienses, 41,9%, usará o 13º para o pagamento de dívidas. Já 15,7% dos entrevistados aplicarão a quantia na poupança. A compra de presentes natalinos é opção para 12,5% dos goianienses. Além disso, 8% dos entrevistados optarão por aquisição de bens pessoais. Férias e viagens foram citadas por 3,2% da população da capital.

O aeroviário e estudante de direito Vinicius Olimpio Rodrigues, 28, é um dos que usará o 13º salário para pagar contas. “Nunca sobra para a poupança ou outros fins. Todo ano planejo usar a grana extra de outra forma, mas não consigo. Quando chega essa época do ano, o dinheiro já está garantido para pagar dívidas.”

Vinicius diz que conseguirá pagar só metade das dívidas. “É prestação de carro, mensalidades atrasadas da faculdade, limites de cheque especial, dentre outras. O dinheiro não dá para pagar tudo que devo. O alto valor cobrado no boleto da universidade é o que mais pesa no meu orçamento. Portanto, deixo para pagar com o 13º salário, pois é uma conta que pode esperar e que não gera juros altos”, explica.

Planejamento

De acordo com o educador e terapeuta financeiro Reinado Domingos, o 13º é um dinheiro extra que traz grande alívio para muitos. Tratá-lo de maneira impulsiva, porém, não é o caminho. Pior, mostra que a pessoa não aprendeu nada com o endividamento e que, possivelmente, irá vivenciar o mesmo problema num curto período de tempo. Para ele, esse dinheiro deve ser usado com planejamento.

“O primeiro passo é fazer um diagnóstico da situação financeira. Se realmente for verificado um endividamento, ainda é necessário saber se está sob controle ou se já está descontrolado, ocasionando a inadimplência. É preciso ter em mente que só se deve pagar uma dívida quando se tem condições para isso, pois um passo precipitado pode até piorar a situação”, alerta.

Se não for possível quitar as dívidas, é aconselhável renegociá-las a juros que não ultrapassem os 2,5% ao mês. Portanto, só procure um credor para negociação quando souber quanto terá disponível mensalmente para pagar a conta em questão.

Ainda segundo o educador financeiro, o endividamento é um problema que tem de ser resolvido com o próprio salário. Ou seja, com a redução dos gastos. “É muito provável que pessoas que estão nessa situação não respeitem o próprio padrão de vida. Por isso, o diagnóstico da situação financeira é indispensável nesse caso”, diz Reinaldo.

Felizmente nem todos estão endividados. A servidora pública Loa Karen Pereira, 20, irá usar o 13º salário para viajar. Ela fará duas viagens com o dinheiro, uma para Guarajuba (BA) onde passará a virada de ano e outra para Ubatuba (SP), onde festejará o carnaval de 2015.

Todas as despesas das duas viagens, incluindo passagens, hospedagens e compras extras serão pagas com o 13º salário. “Para que isso seja possível é importante comprar as passagens com antecedência, pesquisar os valores, organizar as despesas e comprar aquilo que realmente for necessário”, frisa a servidora pública.

Fonte: Jornal O Popular

Tópicos:
visualizações