Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Relatório: BC eleva a previsão para o IPCA deste ano

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
28/06/2013 - 08:37

Brasília - O Banco Central (BC) tirou proveito dos protestos nas ruas e antecipou a revogação do aumento das passagens de ônibus de algumas cidades em suas projeções para a inflação. Mesmo com essa manobra, que a instituição admitiu ser excepcional, a estimativa para o IPCA deste ano aumentou e colocou em xeque a promessa da presidente Dilma Rousseff e do presidente do BC, Alexandre Tombini, de que a inflação este ano será menor do que no ano passado. O mercado interpretou essa estratégia do BC como “maquiagem” para amenizar a inflação mais alta.

Ao mesmo tempo em que previu uma inflação maior, de 6% para este ano, o BC reduziu sua previsão de crescimento da economia de 3,1% para 2,7%.

A cada trimestre, quando apresenta o relatório de inflação, o BC define uma data limite para a coleta de informações econômicas disponíveis para fazer seus cálculos. Desta vez, o dia foi 7 de junho. Só que o recuo dos governos em aumentar as tarifas se deu dias depois e mesmo assim o dado foi usado no cálculo. “Houve um esforço adicional para isso”, limitou-se a explicar o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton de Araújo.

Ao mesmo tempo, o BC ignorou a disparada recente do câmbio, que pode pressionar a inflação, e usou uma cotação próxima à da data definida como limite. “Não julgamos oportuno”, justificou o diretor. Ele argumentou também que o repasse do câmbio na inflação tem sido menor do que visto há uma década.

Surpresa

Ao usar uma variável favorável para os preços e dispensar outra que poderia alimentar ainda mais a alta, o BC pegou analistas de mercado financeiro de surpresa. Hamilton mostrou nervosismo quando questionado sobre abalos na credibilidade da instituição. “Não vou nem comentar essa ilação.”

Pelas novas projeções feitas pelo BC com base na taxa básica de juros, a Selic atual de 8% ao ano e dólar de US$ 2,10, o IPCA poderá fechar o ano em 6%, acima dos 5,84% do ano passado. A alta da inflação é hoje uma das principais ameaças à reeleição da presidente ao lado de um crescimento fraco do País, que também foi revisto para baixo pela instituição.

Fonte: Jornal O Popular

 


Tópicos:
visualizações