Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Poupança supera inflação pelo 2º mês, mas é 2º pior investimento de 2015

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
11/09/2015 - 08:43

A poupança rendeu mais que a inflação em agosto, pelo segundo mês seguido. Significa que a poupança teve ganho real, um ganho que supera a alta de preços. Esse ganho foi de 0,47%, segundo cálculos da consultoria Economatica.

Durante sete meses, de dezembro de 2014 a junho deste ano, a poupança rendeu menos que a inflação. 

Considerando o período de janeiro a agosto de 2015, a poupança perde para a inflação (-1,69%) e é o segundo pior investimento do ano. Ganha só da Bolsa, que recuou 12,91% no período. 

Isso quer dizer que quem guardou suas economias na poupança ao longo deste ano viu seu poder de compra cair, ao invés de aumentar.

A causa é a inflação alta: enquanto a poupança tem rendido 6% ao ano (mais Taxa Referencial), a inflação em 12 meses acumulou alta de 9,53% até agosto.

O cálculo do rendimento negativo foi feito pela consultoria Economatica, com o alerta de que não basta subtrair as porcentagens para chegar ao resultado final.

Saldo da poupança foi negativo em R$ 7,5 bi

Pelo oitavo mês consecutivo, os saques da poupança superaram os depósitos em agosto, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central.

A diferença foi de R$ 7,501 bilhões, a maior para um mês de agosto desde o início da série histórica do BC, em 1995.

No acumulado do ano, de janeiro a agosto, os saques da poupança estão superando os depósitos em R$ 48,497 bilhões.

As pessoas estão tirando dinheiro da caderneta de poupança, principalmente por causa do aumento do desemprego e alta do endividamento, que acabam consumindo as economias da população.

Além disso, com a taxa de juros mais alta, outros investimentos ficam mais atrativos que a poupança.

Fonte: UOL

Tópicos:
visualizações