Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Juro tem maior nível em 9 anos

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
30/07/2015 - 07:54

Com a sétima alta consecutiva, juro básico vai a 14,25% aoano, alcançando mesmo patamar de outubro de 2006

São Paulo - O Banco Central elevou ontem a taxa básica de juros (Selic) em 0,50 ponto percentual, para 14,25% ao ano. Foi a sétima alta seguida do juro básico. O aumento de 0,50 ponto percentual da taxa, que serve de referência para o custo do dinheiro na economia brasileira, era previsto por 50 dos 58 economistas consultados em pesquisa da agência internacional Bloomberg. Os outros oito viam alta mais moderada da Selic, de 0,25 ponto percentual.

Os juros estão agora no mesmo nível de outubro de 2006. Na época, no entanto, o BC dava continuidade a um processo de redução da taxa básica, diante de um cenário de inflação contida -o IPCA foi de 3,14% em 2006.

A decisão foi anunciada em um momento em que o dólar e o reajuste de tarifas pressionam a inflação e a atividade econômica aprofunda a recessão -o PIB recuará 1,76%, segundo analistas.

A elevação da Selic tem sido a arma escolhida pelo BC para tentar conter o avanço dos preços. Com o aumento dos juros, a autoridade monetária busca inibir consumo e investimento -que ficam mais caros-, a economia se desacelera e evita-se que os preços subam, ou seja, que haja inflação.

Mas as elevações estão demorando para surtir efeito. A prévia oficial da inflação atingiu, em julho, o maior patamar no acumulado em 12 meses desde dezembro de 2003.

Para a próxima reunião do Copom, marcada para 1º e 2 de setembro, as previsões divergem sobre a possibilidade e a intensidade de uma nova alta de juros. Para José Pena, economista-chefe da Porto Seguros Investimentos, a decisão sobre a nova elevação vai depender fundamentalmente do comportamento do dólar e da inflação até lá.

“Olhando para o cenário político, creio que o câmbio vá oscilar bastante. A chance de ficar estável nesse patamar é baixa, porque o Congresso retorna do recesso e vai colocar em pauta votações importantes”, diz. Nesse cenário, haveria chance de aumento de 0,25 ponto percentual da Selic na reunião de setembro, afirma Pena. Em seguida, o BC encerraria seu ciclo de aperto monetário, deixando a Selic em 14,5% ao ano.

Por outro lado, complementa, caso o câmbio se comporte e a inflação desacelere, o BC poderia optar por encerrar o ciclo de altas na próxima reunião, o que deixaria a Selic em 14,25% ao ano -em linha com a expectativa dos economistas de instituições financeiras consultados pelo Banco Central no boletim Focus.

Há quem aposte que o Banco Central manterá o ritmo do aperto monetário e promoverá nova alta de 0,50 ponto percentual em setembro. Para Hegedus, da Lopes Filho, este é o cenário mais provável. “A elevação dos juros surte efeito apenas no médio e longo prazo”, diz.

Fonte: Jornal O Popular

Tópicos:
visualizações