Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Juro do cheque especial tem leve alta pela 1ª vez desde novembro

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
12/06/2013 - 09:03

Taxa média passou de 7,92% ao mês, em maio, para 7,93% em junho. Juros do empréstimo pessoal ficaram inalterados, diz pesquisa do Procon.

As taxas médias de juros cobradas pelos bancos no cheque especial tiveram ligeira alta, passando de 7,92% ao mês, em maio, para 7,93% ao mês em junho, segundo levantamento da Fundação Procon-SP divulgado nesta terça-feira (11). A taxa média se mantinha estável desde novembro de 2012.

O Bradesco alterou sua taxa de 8,76% ao mês para 8,78% ao mês e o Santander mudou de 9,87% ao mês para 9,95% ao mês. Os demais bancos pesquisados mantiveram suas taxas de cheque especial inalteradas.

Já os juros médios do empréstimo pessoal ficaram em 5,22% ao mês. Não houve qualquer alteração em relação às taxas praticadas em maio, segundo a pesquisa.

O Procon-SP recomenda que o consumidor mantenha a cautela e, caso seja necessária a tomada de um empréstimo, avalie as diversas alternativas de crédito disponíveis, sempre priorizando a liquidação de suas dívidas.

O levantamento foi feito no dia 3 de junho e envolveu Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O Procon destaca que, como existe a possibilidade de variação da taxa do empréstimo pessoal em função do prazo do contrato, foi estipulado o período de 12 meses. No caso do cheque especial foi considerado o período de 30 dias. Os dados coletados referem-se às taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, independentemente do canal de contratação.

Copom
Na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) ocorrida em maio, as autoridades monetárias decidiram elevar a taxa Selic de 7,5% para 8% ao ano, segunda alta consecutiva do ano. De acordo com o Comitê, a decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano.

Fonte: G1


Tópicos:
visualizações