Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Impostos Arrecadação é recorde, mas previsão é revista

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
23/10/2013 - 07:47

Brasília - Embora tenha sido recorde para o mês, a arrecadação tributária de setembro ficou abaixo das expectativas do governo e ameaça o resultado do Tesouro Nacional. Houve crescimento de 1,7% na comparação com setembro do ano passado, descontada a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). É pouco diante da alta das despesas federais, na casa dos 6% acima da inflação.

A Receita Federal rebaixou para algo entre 2,5% e 3% a estimativa para o aumento da arrecadação em 2013. No início do ano, trabalhava-se com um intervalo de 3% a 3,5%.

A nova projeção ainda é otimista diante dos resultados dos primeiros nove meses, quando os tributos considerados na meta mostraram elevação de apenas 1,2% - enquanto a arrecadação total subiu 0,9%.

Os contribuintes pagaram R$ 84,2 bilhões aos cofres da União no mês passado. No entanto, a área econômica elaborou o Orçamento deste ano com expectativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e da arrecadação tributária muito mais favoráveis que os resultados efetivamente obtidos.

Oficialmente, a Receita conta com uma arrecadação mais forte no último trimestre para fechar as contas fiscais do ano. Na prática, os maiores ganhos deverão vir dos programas de parcelamento de dívidas tributárias aprovados pelo Congresso e recém-sancionados pelo Executivo.

Fonte: Jornal O Popular


Tópicos:
visualizações