Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Greve: Bancários param por tempo indeterminado

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
30/09/2014 - 08:12

Após recusar nova proposta de reajuste dos bancos, os bancários confirmaram a decisão de greve a partir de hoje em todo o País. No Brasil, são cerca de 500 mil bancários, sendo 10 mil no Estado de Goiás.

A paralisação, que já havia sido aprovada na quinta, foi referendada em assembleias realizadas na noite ontem. “Aqui, a decisão foi unânime”, afirma o presidente do Sindicato dos Bancários de Goiás e da Federação dos Bancários de Goiás e Tocantins, Sergio Luiz da Costa.

Ele informa ainda que o sindicato irá montar hoje dois escritórios em Goiânia - um na Superintendência da Caixa Econômica Federal, na Avenida Anhanguera, e outro na Superintendência do Banco do Brasil, na Avenida Goiás -, além de comitês de esclarecimentos em agências da Avenida Goiás, Centro, e interior do Estado.

No sábado, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) aumentou de 7% para 7,35% a oferta de correção salarial, o que inclui aumento real de 0,94%, em vez de 0,61% da primeira proposta. A categoria recusou o novo reajuste oferecido e quer 12,5%, o que inclui 5,8% acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) (6,35% no acumulado em 12 meses), além de melhores condições de trabalho.

Os bancários são uma das categorias profissionais em campanha em busca de reajuste acima da inflação. Apesar de a economia estar mais fraca neste ano, as categorias têm conseguido obter ganhos acima da inflação, segundo o Dieese. Em nove acordos fechados entre julho e setembro o ganho real médio foi de 1,59% em negociações que incluem seis Estados.

Como acertar suas contas

  •  O consumidor pode fazer seus pagamentos via internet banking, mobile banking, caixas eletrônicos, casas lotéricas, correspondentes bancários, supermercados e agências dos Correios, quando as empresas tiverem convênio com esses locais; 
  •  Mensalidades de escolas, planos de saúde e boletos diversos podem ser pagos diretamente no estabelecimento do emitente ou ainda por débito em conta;
  • Caso não consiga efetuar o pagamento, o consumidor deve procurar a sede do Procon ou um dos dez postos de atendimento Vapt Vupt para registrar a reclamação, pois é muito importante documentar o fato para apurar responsabilidades;
  •  É válido que, ao entrar em contato com a empresa, solicitando alternativa para pagamento, o consumidor anote o dia e hora desse contato, além de pedir o número de protocolo do atendimento e demais documentos pertinentes;
  •  Em caso de dúvidas ou problemas, o consumidor pode buscar orientação no Procon Goiás ou por meio do telefone 151.

 

Fonte: Jornal O Popular

Tópicos:
visualizações