Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Economistas já veem o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fora do governo

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
14/12/2015 - 09:33

Próxima semana será decisiva para a permanência do ministro, que anunciou saída se o superavit de 2016 ficar abaixo de 0,7% do PIB

 

Há dúvidas de que Levy possa influenciar decisões. Até agora, só conseguiu adiar a perda do grau de investimento


Especialistas e amigos do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não veem sentido na permanência do economista no cargo, dado o enorme constrangimento que ele vem sofrendo à frente da pasta. A próxima semana será decisiva para a saída ou não do ministro.

Nos últimos dias, Levy sinalizou a parlamentares que deixaria o cargo se a meta de superavit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida pública) da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016, de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB), for reduzida para zero.
Essa proposta será apresentada na forma de emenda aglutinativa pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) na votação da LDO em sessão conjunta do Congresso Nacional, prevista para a próxima terça-feira, e, se aprovada, acabará com um dos pilares do ajuste do ministro.

“Levy já deveria ter deixado a pasta em julho, quando foi anunciada a redução da meta fiscal de 1,1% do PIB (Produto Interno Bruto) para 0,15% neste ano”, avaliou Carlos Eduardo de Freitas, ex-diretor do Banco Central e presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal (Corecon-DF).

Inevitável

“Ele não quis sair antes porque não queria provocar uma crise. Mas, evidentemente, essa saída é inevitável se a meta fiscal for zerada. Ele não terá mais nada a fazer neste governo”, destacou Freitas, lembrando que a chegada do ministro no início do ano apenas ajudou a retardar o rebaixamento do país. Em setembro, após o governo enviar ao Congresso a proposta de Orçamento de 2016 com deficit de R$ 30,5 bilhões, a Standard & Poor’s retirou o selo de bom pagador do Brasil.

 

Fonte: Correio Braziliense

Tópicos:
visualizações