Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Crise política dificulta aprovação de parte das medidas do ajuste fiscal

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
21/07/2015 - 09:10

Incertezas sobre o ajuste, com acirramento das disputas no Congresso, e novos indiciamentos na Lava-Jato derrubam papéis de estatais e levam Bovespa a queda de 1,36%. Aversão ao risco, levam investidores para o dólar, que fecha em alta de 0,21% a R$ 3,201

A semana começou com alta dose de nervosismo no mercado financeiro. O agigantamento da crise política que pode dificultar a aprovação de parte das medidas do ajuste fiscal levou os investidores à beira do pânico. Na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), a opção foi pela venda maciça de ações de empresas estatais, cujos preços derreteram. No mercado de câmbio, a ordem era buscar proteção no dólar, que registrou o terceiro dia consecutivo de alta e fechou o dia cotado a R$ 3,201, elevação de 0,21%. “A tensão está se elevando muito rapidamente, pois as incertezas não param de aumentar quando se olha para Brasília”, disse Felipe Chad, analista da DX Investimentos.

Em meio à desconfiança, os papéis da Petrobras puxaram a queda de 1,36% do pregão paulista. Os papéis preferenciais da companhia caíram 5,35% e os ordinários, com direito a voto, despencaram 6,18%. O derretimento das ações foi impulsionado pelo indiciamento o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, pelos crimes de fraude em licitação e corrupção passiva com base nas investigações da Lava-Jato. Outras sete pessoas foram denunciadas ao Ministério Público.

Para piorar a situação, o preço do barril do petróleo chegou a ser cotado a menos de US$ 50 e fechou o dia valendo US$ 50,15, o menor nível desde 2 de abril. A aversão ao risco levou os investidores estrangeiros a se desfazer dos papéis da petroleira. Além disso, relatórios de mercado apontaram que as exportações da Arábia Saudita diminuíram ao menor nível em cinco meses, mesmo com a produção em nível recorde, acima de 10 milhões de barris por dia.

Entre as estatais, a Eletrobras também encerrou o pregão com queda no preço das ações. O valor dos papéis ordinários teve queda de 2,41% e os preferenciais 1,63%. A retração ocorreu após os boatos de que o escritório norte-americano Rosen Law Firm prepara uma ação coletiva contra a estatal, nos moldes do processo que tramita contra a Petrobras. Os advogados devem reclamar as perdas dos acionistas pelo envolvimento da empresa do setor elétrico nos esquemas de corrupção investigados pela Operação Lava-Jato.

Cenário
Na opinião de Chad, da DX Investimentos, a crise política tem agravado o cenário econômico, uma vez que as estatais estão no centro dos escândalos de corrupção. Conforme ele, a cada notícia negativa que surge, as companhias envolvidas na Operação Lava-Jato sofrem com perda de valor.

No mercado de câmbio, o dólar chegou a ser negociado a R$ 3,224 ainda influenciado pela decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciar o rompimento formal com o governo. O gerente da Fair Corretora, Mário Battistel, explicou que o mercado estrangeiro passou o dia sem turbulências, após a Grécia fechar acordo com credores e iniciar o processo de pagamento de dívidas. Para ele, as sinalizações de Cunha e do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL), de que criarão problemas para o governo estão afugentando os investidores.

Conforme Battistel, as pressões externas ainda são grandes, sobretudo dos Estados Unidos. O Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) deve iniciar o ciclo de alta de juros nos próximos meses, o que levará muitos investidores a retirarem recursos dos mercados emergentes para aplicar na maior economia do mundo. “Mas isso é questão para o futuro. Os problemas aumentaram com a reunião do governo com a Moddy’s. A queda do rating e a sinalização de outro rebaixamento devem fazer o dólar disparar”, comentou.

Fonte: Correio Braziliense

 

Tópicos:
visualizações