Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Calote Devolução de cheques cai no mês, mas sobe no ano

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
20/03/2013 - 09:25

De cada mil cheques compensados em Goiás no mês de fevereiro, 27,4 foram devolvidos por insuficiência de fundos, informou a Serasa Experian. O volume é menor que o registrado em janeiro deste ano, quando a relação foi de 29 cheques sem fundos para mil compensados. Mas o total é maior que o volume do mesmo mês do ano passado, quando para cada mil cheques compensados, 24,7 foram devolvidos. No acumulado de janeiro e fevereiro deste ano, a relação é de 28,2 documentos.

No País, no mesmo período, as devoluções responderam por 1,96% do total. No mesmo período do ano passado, chegaram a 1,97%. Nos dois primeiros meses do ano, Roraima foi o Estado com o maior porcentual de cheques sem fundos (13,03%), enquanto São Paulo foi aquele com o menor porcentual (1,42%). A região Norte foi a que registrou o maior porcentual de devolução de cheques (4,14%). Na outra ponta, está a região Sudeste, com o menor índice (1,54%).

Razões

O alto nível de endividamento dos brasileiros impactou indicadores de inadimplência no ano passado. Impulsionado por um forte avanço no crédito nos anos 2010 e 2011, o fator atrapalhou o crescimento da economia no ano passado.

Com alto nível de inadimplência, bancos ficaram mais cautelosos na hora de emprestar e os consumidores priorizaram o pagamento de dívidas à contração de novos empréstimos.

Os indicadores de atrasos no pagamento começaram a melhorar no final do ano passado, mas ainda são motivo de atenção.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o alto nível de emprego no País e a evolução da renda favoreceram o processo de renegociação das dívidas acumuladas e contribuem para diminuir o número de cheques devolvidos no País.

Fonte: Jornal O Popular


Tópicos:
visualizações