Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

BC faz projeção de US$ 80 bilhões para deficit nas transações correntes

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
21/10/2014 - 07:54

Mais fragilizado e exposto às condições externas, o Brasil passou a depender dos capitais especulativos para fechar a conta

 

O próximo presidente não poderá se escorar nas reservas internacionais e ficar assistindo às contas externas deteriorarem. O rombo no fluxo de dinheiro com o exterior será uma das heranças malditas deixadas pelo atual governo. Caso a situação não seja revertida, o país se tornará ainda mais vulnerável a crises financeiras sobre as quais não tem controle. A projeção do Banco Central (BC) para o deficit nas transações correntes deste ano é de US$ 80 bilhões — o terceiro maior em termos absolutos, menor apenas que o dos Estados Unidos e do Reino Unido. Quer dizer que as despesas andam superando e muito as receitas nas operações da balança comercial, sobretudo, e de outras transações com o exterior.


Os investimentos estrangeiros diretos conseguiram balancear as contas externas por um bom tempo, mas deixaram de ser suficientes. Esse dinheiro que vem de fora atingirá em 2014 o patamar de US$ 63 bilhões, não sendo capaz de financiar mais do que 80% do saldo devedor das transações correntes. Mais fragilizado e exposto às condições externas, o Brasil passou a depender dos capitais especulativos, aqueles que despertam menos confiança, para fechar essa conta.

 


Não há dúvidas de que o próximo mandato encontrará nessa área desafios muito maiores do que Dilma recebeu. Sobram indicadores para reforçar a preocupação do próximo presidente. Em ascensão, a soma do que governo, bancos e empresas devem no exterior comparada ao Produto Interno Bruto (PIB) avançou de 12% para 14,8% nos últimos quatro anos. Além disso, com o enfraquecimento da balança, o total de recursos usados para pagar juros da dívida externa na comparação com o volume exportado saltou 10 pontos percentuais na era Dilma. Em março, essa proporção chegou a 33%.

 

Fonte: Correio Braziliense

 

Tópicos:
visualizações