Atenção! Você está utilizando um navegador muito antigo e muitos dos recursos deste site não irão funcionar corretamente.
Atualize para uma versão mais recente. Recomendamos o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.

Notícias

Abertura de capital: BB capta R$ 11,47 bi com seguradora

Facebook
Twitter
Google+
LinkedIn
Pinterest
Enviar por E-mail Imprimir
26/04/2013 - 09:14

São Paulo - A BB Seguridade, braço de seguros do Banco do Brasil, conseguiu captar até R$ 11,475 bilhões com a sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). As ações foram precificadas em R$ 17,00, um pouco acima do centro da faixa inicialmente proposta, de R$ 15,00 a R$ 18,00.

Foram registradas na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) 675 milhões de ações, equivalente aos lotes principal, suplementar e adicional.

A seguradora do Banco do Brasil deve estrear na próxima segunda-feira na Bolsa com valor de mercado de cerca de R$ 34 bilhões, conforme cálculos de fonte próxima à operação. Trata-se da maior abertura de capital da bolsa desde 2009, quando o espanhol Santander levantou cerca de R$ 14 bilhões. As ações da BB Seguridade serão negociadas no Novo Mercado, o nível mais alto de governança corporativa da BM&FBovespa.

O sucesso da operação já era esperado pelo mercado. Além do interesse dos investidores estrangeiros, com destaque para os asiáticos, o IPO da BB Seguridade contou com o reforço da rede de agências do Banco do Brasil na distribuição dos papéis. Desde a quarta-feira, fontes ressaltavam a elevada procura de pessoas físicas pela oferta, o que deve ter ocasionado um “grande” rateio para este público. Foi inclusive a pressa de alguns gerentes, conforme fontes, em vender os papéis da BB Seguridade aos seus clientes que causou a suspensão do IPO por dois dias uma vez que o material publicitário não tinha passado pelo crivo da CVM. Mas, como já era esperado pelo mercado, o imprevisto não teve impacto no interesse dos investidores.

A demanda do mercado é explicada, segundo especialistas, não só pelo fato de a BB Seguridade ter administração mista, privada e governamental uma vez que tem o Banco do Brasil como acionista controlador, mas por atuar num segmento que cresce dois dígitos por ano. Em 2012, o mercado de seguros totalizou quase R$ 157 bilhões em prêmios, crescimento de 21,3% ante o exercício anterior, conforme dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Fonte: Jornal O Popular


Tópicos:
visualizações